JORGE RODRIGUES SIMAO

ADVOCACI NASCUNT, UR JUDICES SIUNT

Somos turistas das trevas?

adarktourism

“Postmodern critics argue, with some justification, that travel and tourism often have the exact opposite effect, transforming the experience into an exploitative commercial affair - a kind of voyeuristic form of entertainment in which the native population and their culture becomes a purchasable commodity to satisfy hedonistic pursuits. The relationship between tourist and native is reduced to a kind of neocolonial "experiential commerce." [...]”

Jermy Rifkin

O turismo negro, como sendo a visita a sítios associados à morte, ao crime ou a outros temas macabros existe há séculos. Mas será que faz parte da natureza humana sermos turistas obscuros? Sempre nos interessámos pelo lado negro da vida, pois faz parte da natureza humana explorar os aspectos por vezes desagradáveis da nossa existência para compreender o que nos faz funcionar como espécie. Muitos de nós gravitam em torno do macabro e do sinistro, mesmo que não consigamos exprimir ou explicar porque é que somos atraídos por temas mais sombrios. Procuramo-los em histórias de jornais, exposições, artefactos de museus e programas de televisão.

O verdadeiro crime continua a ser um tema popular para podcasts, como Criminal, Serial, My Favorite Murder e Unsolved são apenas algumas das séries recentes, e até a BBC iniciou uma série de podcasts baseada na descoberta de um corpo desconhecido em Saddleworth Moor, chamada The Body On The Moor (com uma actualização quando o corpo acabou por ser identificado como sendo o londrino David Lytton). Parece que quanto mais sombrio é o assunto, mais vontade temos de saber. O que é o turismo negro? O turismo negro é um aspecto deste fascínio. É o termo dado a uma forma de turismo que envolve a visita a sítios e locais que estão associados a morte, crime ou tragédia no passado.

Muitos visitam esses sítios ou locais devido ao seu significado histórico, ou porque querem aprender com a experiência, embora haja, sem dúvida, alguns com um fascínio mais macabro pela morte ou pela dor. Há uma multiplicidade de locais que podem ser descritos como locais de turismo negro, uma vez que há muito da nossa história que tem uma tonalidade mais escura. Alguns locais estão associados a assassinatos, pense-se no "monte relvado" em Dallas, palco do assassinato de JFK em 22 de Novembro de 1963, enquanto outros foram locais onde pessoas foram mortas em massa, como Gettysburg ou Auschwitz.

Um local pode ser uma casa ou um campo; pode ser algo que sobrevive quase intacto ou simplesmente uma placa num edifício restaurado ou reconstruído. Em Fall River, Massachusetts, os turistas afluem para ver o local onde Lizzie Borden viveu no final do século XIX. Lizzie é famosa por alegadamente ter matado o pai e a madrasta com um machado em 1892 (na realidade, foi absolvida, mas é amplamente considerada como tendo sido a assassina). Actualmente, é possível ficar na sua antiga casa, o local do crime, que foi transformada numa pensão. A maioria dos visitantes pede para ficar no quarto onde a madrasta de Lizzie, Abby, foi assassinada, o que mostra como a proximidade de um crime violento nos fascina em vez de nos repelir.

Outros locais de turismo negro incluem as prisões; muitas prisões que foram encerradas tornaram-se, entretanto, locais de património abertos ao público. Quando as prisões de Shepton Mallet e Shrewsbury fecharam há alguns anos, foram abertas ao público durante um curto período, para que os visitantes pudessem ver os locais tal como tinham funcionado até ao seu encerramento. As paredes descascadas, os ambientes espartanos e o mobiliário abandonado mostravam a realidade da vida prisional. Outras prisões foram restauradas ou modernizadas, com objectos de cera que representam cenas do passado da prisão. A Bodmin Gaol, na Cornualha, tem recriações em cera de alguns dos seus antigos prisioneiros; a Wicklow Gaol, na Irlanda, tem uma réplica de uma roda dentada no seu recinto para mostrar o trabalho inútil que os antigos prisioneiros tinham de efectuar.

Estes sítios tentam estabelecer uma fronteira entre a educação e o entretenimento, como o demonstra a existência de visitas áudio e de lojas de recordações. Este interesse pelo lado negro da vida não é novo. Os nossos antepassados, talvez devido à presença da morte no seu quotidiano e às taxas de mortalidade mais elevadas do passado, tinham um interesse semelhante. No tempo dos romanos, os "turistas" visitavam os jogos de gladiadores no coliseu, assistindo à luta de humanos até à morte. Na época georgiana, era possível ir ao local de um assassínio e ver o assassino ser condenado à morte nas proximidades, ficando explícita a ligação entre o indivíduo e o local onde foi morto. Mesmo na época vitoriana, multidões acorriam para assistir a um enforcamento público pelo menos até 1868, quando os enforcamentos foram transferidos para dentro dos muros da prisão.

De facto, os vitorianos eram turistas obscuros, mesmo que não tivessem pensado em tal termo. Encaravam um enforcamento público como um dia de passeio, uma oportunidade para se divertirem, comprarem um panfleto de recordação, gritarem e troçarem dos condenados enquanto estes eram conduzidos ao cadafalso. Havia a possibilidade de ganhar dinheiro com a venda dos folhetos, de oferecer bebidas aos espectadores ou, se vivesse perto do local da execução, de cobrar dinheiro aos espectadores para que utilizassem a sua janela ou varanda para obter a melhor vista do enforcamento. As imagens dos condenados e as transcrições das suas supostas confissões eram vendidas a uma multidão ávida de uma recordação do dia, enquanto outros viam a oportunidade de roubar bolsos, arranjar brigas ou cometer outros crimes enquanto os criminosos eram mortos.

Até o escritor Charles Dickens assistiu a um enforcamento. No seu caso, o duplo enforcamento dos Manning, em 1849, no exterior da prisão de Horsemonger Lane, em Londres, depois de Marie Manning ter pedido ao seu marido Frederick que ajudasse a matar o seu amante, Patrick O'Connor. Dickens ficou tão horrorizado com o prazer que os outros tiveram com o acontecimento (diz-se que entre trinta e quarenta mil pessoas assistiram aos enforcamentos) que escreveu aos jornais pedindo o fim da prática dos enforcamentos públicos. Foram necessários mais dezanove anos para que isso acontecesse. As recordações também provêm de fontes mais obscuras, como um pedaço do cadafalso, ou a corda utilizada para enforcar um indivíduo; uma máscara mortuária; ou um objecto pertencente ao criminoso morto. Os jornais do século XIX registaram frequentemente quer em artigos, quer, mais tarde, em ilustrações gráficas a presença de espectadores nos locais dos crimes, uma vez que o público se reunia frequentemente no sítio onde o crime tinha sido cometido, para observar e coscuvilhar.

Uma forma particularmente notória de turismo negro pode ser observada no caso de Jack, o Estripador. A partir do momento em que se começou a relacionar uma série de assassínios ocorridos na zona leste de Londres em 1888, os "turistas" reuniram-se. Jornais como o Illustrated Police News incluíam esboços dos locais dos assassinatos, como Miller's Court, onde a última vítima canónica, Mary Jane Kelly, tinha sido morta na sua cama, e tanto os habitantes locais como os de mais longe tentavam aproximar-se o mais possível, para experimentar as vidas que as vítimas tinham vivido. Um grande número de pessoas terá assistido ao funeral de Kelly em 19 de Novembro de 1888, no cemitério de Leytonstone, apesar de nunca a ter conhecido.

Talvez quisessem mostrar a sua simpatia pela mulher assassinada; mas suspeita-se que outros queriam simplesmente sentir uma emoção hilariante por estarem perto de uma das vítimas de Whitechapel. Ao mesmo tempo, uma pessoa desconhecida tinha escrito a giz as palavras "Caro chefe - ainda estou por cá. Cuidado. O seu, Jack, o Estripador" numa parede branca de uma casa em Newnham Street, Whitechapel. A polícia rapidamente pediu que as letras fossem "apagadas para evitar atrair uma multidão". Os cemitérios e outros locais de repouso para os mortos são, desde há muito, "atracções" turísticas e destinos improváveis de entretenimento. As catacumbas de Paris, por exemplo, tornaram-se um local de concertos no século XIX, sendo a sua atracção a justaposição entre a música ao vivo e os mortos.

Durante o século XVIII, os parisienses abastados visitavam as catacumbas por curiosidade e, no início do século XIX, estas foram abertas ao público algumas vezes por ano. A procura por parte do público aumentou constantemente e, em 1874, as catacumbas foram abertas aos turistas durante dois sábados por mês. Por fim, tiveram de ser abertas diariamente para dar resposta ao grande número de pessoas que queriam ver os ossos e crânios expostos. Hoje em dia, há filas consideráveis de turistas que esperam todos os dias para entrar nas catacumbas de Paris e noutros locais semelhantes abertos aos turistas, como o Ossário de Sedlec, na República Checa, visitado por duzentas mil pessoas todos os anos.

O turismo negro não tem necessariamente a ver com a morte, pois basta olhar para o número de homens e mulheres que visitavam asilos e prisões no passado para se maravilharem com os infelizes residentes. Um destino particularmente popular era Bedlam, o infame hospital psiquiátrico, onde as pessoas pagavam por uma visita guiada à instituição e pela oportunidade de se rirem ou gozarem com os doentes. Embora essas visitas guiadas sejam, felizmente, uma coisa do passado, hoje em dia, os turistas misteriosos continuam a visitar os locais de antigas prisões e manicómios e a ficar chocados com as histórias de castigos criminais e "tratamentos" de saúde mental. Visitar os locais de descanso final de indivíduos é um acto de turismo relacionado.

Quando Lord Byron morreu em 1824 na Grécia, o seu corpo foi trazido de volta para Nottinghamshire para ser enterrado. Um século mais tarde, em 1923, um jornal elaborou um itinerário de turismo negro para permitir que os seus leitores visitassem vários locais de sepulturas famosas, incluindo a de Byron sendo referido que os mineiros locais estavam disponíveis para guiar os visitantes até ao local. É evidente que, no início do século XX, visitar túmulos famosos era visto como uma actividade perfeitamente legítima, e a beleza dos cemitérios e das sepulturas era utilizada como meio de justificar essas visitas. Hoje em dia, quando morrem pessoas famosas, seguimos o percurso do seu cortejo fúnebre ou ouvimos o serviço fúnebre através de altifalantes no exterior de uma igreja.

Estaremos realmente a prestar homenagem ou haverá uma razão mais obscura para querermos ver provas da morte, mesmo quando não conhecíamos a pessoa? O turismo negro é ético? Isto leva-nos a questionar se é ético, ou moral, abrir um local associado à morte ou ao crime. Cobrar uma taxa de entrada; vender recordações ou lembranças; colocar fotografias de antigos reclusos será que isto se justifica? Por vezes, há uma linha ténue entre recordar indivíduos e fazer deles uma jogada publicitária. Veja-se a existência de fotografias de prisioneiros que adornam as paredes tanto da Oxford Gaol (actualmente uma "experiência" para os visitantes) como do St George's Hall de Liverpool. Estas recordam-nos tanto a utilização anterior dos edifícios, como os indivíduos outrora encarcerados dentro das paredes da Oxford Gaol, ou julgados no St George's Hall.

Sem dúvida, fazem-nos compreender as histórias pessoais por detrás destes edifícios. No entanto, fotografias semelhantes também adornam as garrafas de uma determinada empresa de vinhos, cujos produtos são claramente concebidos para ganhar dinheiro com as vidas e imagens de prisioneiros. Existem preocupações éticas relativamente a qualquer utilização de imagens associadas ao crime, quando essas utilizações têm como objectivo ganhar dinheiro. Muitos sítios esforçam-se por manter um equilíbrio entre educação e entretenimento e, como resultado, podem parecer glorificar acontecimentos sombrios do passado.

Esta situação é agravada pela utilização omnipresente das redes sociais; o Museu da Prisão de Clink, em Londres, por exemplo, tem publicado uma série de tweets ao estilo "tortura do dia", concebidos para chamar a atenção, em vez de fornecerem uma exploração mais matizada da sua história. No entanto, também é evidente que o turismo negro pode ajudar a educar as pessoas. Os melhores sítios de turismo negro explicam claramente aos seus visitantes o seu passado e as questões envolvidas. O local de Auschwitz faz isso pela sua desolação e pelos seus artefactos, onde há vitrinas que mostram provas dos crimes cometidos no campo, incluindo uma exposição de sapatos escuros e decadentes, usados pelas pessoas encarceradas ou mortas. Uma outra vitrina contém uma grande quantidade de malas, que foram trazidas pelas vítimas para o campo, com os seus nomes escritos em letras grandes.

Uma das imagens mais tristes é a palavra "Waisenkind", "órfão" em alemão, inscrita em algumas das malas, uma recordação das crianças que as levaram para um campo onde seriam maltratadas ou mortas devido à sua fé judaica. Estes artefactos são desconfortáveis e fazem-nos compreender o número de pessoas que encontraram a morte durante a II Guerra Mundial. Poder-se-ia argumentar que a presença de tais artefactos é desnecessária e desrespeitosa para com aqueles que morreram, e a presença de cabelos cortados de cerca de cento e quarenta mil vítimas de Auschwitz, em exposição pública, não é certamente para os mais sensíveis. No entanto, é através da exposição de tais objectos que reconhecemos a desumanidade daqueles que infligiram dor a estes indivíduos e a sua própria humanidade.

Eram pessoas como nós e, ao vermos os seus bens e o seu cabelo, que lhes foi retirado, quer quisessem quer não, podemos sentir empatia pela sua situação. Todos os anos, as escolas organizam visitas ao Norte de França para ver os campos de batalha e os cemitérios da I Guerra Mundial. Mais uma vez, por vezes, a simplicidade é poderosa, e as filas de lápides idênticas mantidas pela Commonwealth War Graves Commission mostram aos visitantes o elevado custo humano da guerra sem necessidade de painéis de interpretação ou de acompanhamento audiovisual. Noutros casos, porém, esses painéis, visitas audiovisuais e vídeos podem ajudar a educar os visitantes de todas as idades, dando vida à história e salientando, por exemplo, as razões da criminalidade, como a pobreza.

Há, sem dúvida, exemplos de turismo negro que são mais ambíguos do ponto de vista ético. Se um sítio apresenta uma selecção quase aleatória de artefactos relacionados com a criminalidade, com uma narrativa pouco significativa ou estruturada e agrupados com uma selecção de objectos não relacionados, é difícil considerá-lo um sítio que pretende educar ou informar os visitantes. Para que um sítio de turismo negro funcione eticamente, tem de considerar a forma como apresenta os seus artefactos e como conta a sua história. Para os visitantes, uma apresentação ética encoraja-os a comportarem-se também de forma ética; a compreenderem que estes foram em tempos, locais onde os seus antepassados viveram, lutaram ou morreram.

A história pode ser um tema árido para ensinar e aprender, e as visitas a sítios turísticos podem ser uma forma valiosa de dar vida ao tema para as crianças em idade escolar. Visitar sítios como Auschwitz pode ajudar tanto as crianças como os adultos a compreender as atrocidades do passado, mas também a mostrar a sua relevância para a sociedade actual. Ao visitar os locais onde os crimes foram cometidos, ao ver as provas dos indivíduos afectados por esses actos, estes tornam-se acontecimentos reais, em vez de uma lista de locais ou datas num livro. O seu tema pode ser sombrio, mas isso não significa que devam ser esquecidos; de facto, o oposto é verdadeiro. Precisamos de aprender com o crime e também precisamos de aceitar a morte como uma inevitabilidade, em vez de a tentarmos negar.

Ao visitar cemitérios, prisões e catacumbas, aprendemos sobre a experiência humana, tanto da vida como da morte. Alguns podem encarar a visita como um entretenimento macabro, mas muitos mais aproveitam-na como uma experiência educativa. Os locais de turismo negro estão frequentemente associados a acontecimentos tristes ou trágicos. Podem assinalar acontecimentos longínquos no passado, ou estar relacionados com uma perda mais recente. No entanto, todos eles merecem respeito. Respeite os locais físicos e as memórias das pessoas envolvidas nesse sítio. Parece óbvio, mas ficaria surpreendido com a quantidade de pessoas que visitam um local turístico e tentam levar um pouco para casa, mesmo que seja apenas uma pedra ou uma flor.

Os sítios turísticos obscuros têm de ser tratados com respeito e mantidos intactos. Muitos sítios possuem painéis de interpretação que descrevem casos de estudo específicos ou aspectos da história de um sítio, ajudando-o a compreender o local à medida que o percorre. Mesmo os locais ao ar livre, como o campo de batalha de Bosworth, têm painéis deste tipo e a sua leitura ajudá-lo-á a contextualizar os locais que visita. Não faça piadas Os sítios de turismo negro, são muitas vezes locais emotivos, que evocam sentimentos de tristeza ou mesmo de raiva. No entanto, não são o local ideal para piadas ou gargalhadas. Não faça piadas em voz alta sobre artefactos ou histórias, pois os outros à sua volta não irão gostar. Por vezes, haverá a possibilidade de participar numa visita guiada (talvez até com um intérprete vestido a rigor) ou de ouvir um guia audiovisual enquanto percorre um local.

Aproveite estas oportunidades; sem elas, poderá ter dificuldade em compreender o que aconteceu, onde e porquê. Não tire selfies nos locais de atrocidades e pense no contexto. Os funcionários de Auschwitz tiveram de pedir aos visitantes que respeitassem a memória dos mortos, uma vez que muitos estavam a tirar fotografias a posar nos famosos carris do antigo campo e a publicá-las na Internet. Vale sempre a pena ler um livro sobre o local que se está a visitar para aprender mais sobre a sua história. Pode ler um livro ou pesquisar o local online antes da visita, mas também depois, para o ajudar a compreender uma parte específica do local, talvez. Não vá às compras Vá a um sítio para se informar sobre a sua história. Não se aborreça se não houver uma loja, ou se houver uma, mas não houver uma selecção suficientemente grande de artigos para as suas necessidades.

 Da mesma forma, não se pode esperar que em todo o lado haja cafés ou restaurantes. Se achou um sítio interessante ou emotivo, diga-o a outros. Muitos sítios de turismo negro são sobre a vida das pessoas comuns, por isso, aqueles que normalmente associam os locais históricos à realeza e à elite podem descobrir que têm uma centelha histórica acesa pelos seus relatos das suas visitas. Como em qualquer lugar, deve sempre deixá-lo no estado em que o encontrou. Se tiver levado uma bebida ou um lanche consigo, leve a embalagem ou os restos para casa, a não ser que exista um caixote do lixo. Não deite lixo durante a sua visita pois é incrivelmente desrespeitoso para com os recordados no local.

 

Jorge Rodrigues Simao, Academia.edu, 05.29.2023

Share

Pesquisar

Azulejos de Coimbra

paines.jpg