JORGE RODRIGUES SIMÃO

ADVOCACI NASCUNT, UR JUDICES SIUNT

A Covid-19 e o dióxido de carbono - PORTUGUESE AND ENGLISH VERSIONS

 

aCoronavirus

PERSPECTIVAS A Covid 19 e o dioxido de carbono 17 09 2021 - ACADEMIA.EDU - PORTUGUESE AND ENGLISH VERSIONS

“Our current model of economic growth has led to increasing deforestation and loss of biodiversity, accelerated urbanization, intensive animal farming, global travel - all factors known to increase the risk of zoonotic viruses jumping to human hosts and spreading with alarming ease. Scientists and public health experts around the world have been warning us for many years that a pandemic caused by an unknown virus was not a matter of “if” but of “when”, and that we needed to prepare.”

Adelaida Sarukhan

O início da luta contra a Covid-19 desobstruiu o céu. Imagens de satélite mostrando o súbito desaparecimento de nuvens de poluição sobre as grandes aglomerações urbanas na China e depois na Europa ilustraram rapidamente esta situação. Qualquer pessoa que vivesse nestas áreas, ou perto de infra-estruturas de transporte, rapidamente se apercebeu que, embora os pacientes mais infectados pelo vírus estivessem a lutar em unidades de cuidados intensivos com a ajuda de respiradores artificiais, estavam agora a desfrutar de ar mais limpo. O CO2 não é directamente detectável em imagens de satélite, nem a Covid-19. As nuvens de poluição são constituídas principalmente por micropartículas, emissões de enxofre e óxidos de azoto que bloqueiam o céu e danificam os nossos pulmões.

São produzidos pela combustão de combustíveis fósseis ou biomassa e não contribuem directamente para o aquecimento global. Podem mesmo abrandá-la formando um ecrã que limita a acção dos raios solares. O desaparecimento das nuvens de poluição é, no entanto, um marcador que atesta a queda nas emissões de CO2 que acompanhou a contenção. A acção colectiva contra a propagação da Covid-19 reduziu simultaneamente a propagação de CO2. Ao agir com urgência para refrear a circulação do vírus, as nossas sociedades pareciam de repente capazes de reduzir as emissões de gases com efeito de estufa como nunca antes.

 

A acção climática seria reforçada de forma duradoura por esta convergência de lutas? Podemos "fazer a hipótese, como muitos fazem, de que a crise sanitária nos prepara, induz e encoraja a preparar-nos para as alterações climáticas. Ainda precisamos de testar esta hipótese". Existem vários testes e questões a serem postos como se a catástrofe sanitária tornará a nossa economia mais resiliente face ao aquecimento global? O resultado do teste deve ser lido cuidadosamente. As acções tomadas para parar a circulação da Covid-19 não são directamente transferíveis para a redução de CO2. As ligações entre a catástrofe sanitária e as alterações climáticas são mais complexas do que parecem à primeira vista.

Apesar das suas semelhanças, a Covid-19 e o CO2 são 'gémeos fraternais'. Ambos são a fonte de ameaças globais sobre as quais os cientistas estão a alertar. No entanto, diferem profundamente, tanto em termos da sua origem antropogénica ou não, como do prazo da sua acção deletéria. Examinemos mais precisamente o que reúne e o que diferencia estes dois seres, que são tão semelhantes e tão diferentes. Estamos habituados às quarentenas. Na escola primária, a maioria de nós estava confinada ao sarampo ou à varicela. Por causa do contágio, a nossa infecção tornou-se perigosa para toda a classe. Tivemos de ficar em casa, o que muitas vezes nos colocou problemas espinhosos de custódia que encontrámos novamente, uma geração mais tarde, com os nossos próprios filhos. Ao deixar a escola temporariamente, protege-se a saúde do resto da turma.

Está-se a proteger um 'comum' local, para utilizar os termos dos economistas. Este tipo de situação é semelhante à gestão da poluição local. Por exemplo, o tipo que aparece nas cidades quando um sistema de alta pressão pára o tráfego aéreo. Os poluentes não são soprados pelos ventos. Tornam-se agentes patogénicos perigosos que atacam os nossos corpos. A resposta eficaz não pode ser puramente individual. É necessária uma acção colectiva para remover a fonte de emissões, por exemplo, regulando mais rigorosamente o tráfego automóvel e o aquecimento. A economista e Prémio Nobel Elinor Ostrom mostrou de forma magistral como as sociedades conseguem proteger os bens ambientais a nível local.

Se a circulação do agente patogénico se estender para além da sala de aula, é atravessado um gradiente. A doença assume uma forma epidémica. O Ébola fornece um exemplo de uma epidemia particularmente formidável. O seu vírus espreita, tal como a Covid-19, em reservatórios de animais. Periodicamente, é transmitida aos seres humanos. Circulou entre 2014 e 2016 na Guiné, Serra Leoa e Libéria. Menos contagioso que a Covid-19, o Ébola é muito mais mortal. Durante este período, causou provavelmente 15.000 a 20.000 mortes nestes três países, ou seja pouco menos de 1 por cento da população. Neste tipo de situação, a luta é mais complicada de organizar do que de proteger a saúde da classe pois cada pessoa deve agir para proteger a saúde de uma multidão de pessoas que não conhece. Simetricamente, o risco de cada pessoa depende do comportamento desta multidão de estranhos.

A poluição regional tem semelhanças com as epidemias. As emissões de enxofre para a atmosfera, causadas principalmente pela queima de carvão e fuelóleo, são a causa das chuvas ácidas, que prejudicam a saúde das florestas e das pessoas. No entanto, esta poluição move-se com as correntes de ar. As descargas das centrais eléctricas a carvão polacas podem danificar árvores e pessoas na Floresta Negra da Alemanha; da Pensilvânia, florestas e pessoas na Carolina do Norte. Para combater este tipo de poluição, aqueles que reduzem a descarga de poluentes nem sempre são aqueles que beneficiam da acção. E os próprios beneficiários não podem fazer qualquer esforço, agindo como "passageiros clandestinos" sobre as acções dos outros, como os economistas lhes chamam.

Durante o surto de Ébola na África Ocidental, um receio da Organização Mundial de Saúde (OMS) era de que o vírus se espalhasse. Foram tomadas medidas drásticas para controlar o estado de saúde das pessoas nas fronteiras. Quem teve a oportunidade de as atravessar durante este período viu como eram severas. No caso da Covid-19 na China, não foi possível conter a circulação do vírus. A epidemia transformou-se numa pandemia, tal como oficialmente reconhecida pela OMS a 11 de Março de 2020. A pandemia é o gradiente final da transmissão viral. A circulação do vírus torna-se global. Em tal situação, o risco de cada pessoa depende um pouco das suas próprias acções e principalmente das acções de milhares de milhões de outros seres humanos. Tal como na sala de aula, continua a ser uma questão de proteger o bem comum da saúde. Mas a escala mudou completamente. Estamos agora a agir para proteger a saúde de toda a espécie humana; uma comunidade global.

A Covid-19 é, portanto, muito semelhante ao CO2 (e a todos os outros gases com efeito de estufa). Ao contrário da nuvem de poluição, o CO2 não afecta directamente a nossa saúde; é invisível, inodoro e não tóxico. Mas a sua acumulação sobre as nossas cabeças está a destruir outro ponto comum global, o da estabilidade climática. Para preservar esta comunidade planetária, precisamos de alinhar o comportamento de milhares de milhões de pessoas, tal como fizemos para ultrapassar a pandemia. De um ponto de vista económico, esta relação dupla entre a Covid-19 e o CO2 tem duas implicações que devemos ter em mente; a boa saúde e a estabilidade climática são dois bens comuns. Em caso algum a sua protecção pode ser assegurada por ajustamentos espontâneos do mercado.

Um dos economistas climáticos mais conhecidos da Europa, Nicolas Stern, costumava repetir que o aquecimento global é o "maior fracasso do mercado" alguma vez observado. Preservar um bem comum, seja de saúde ou ambiental, implica uma acção colectiva para regular os mercados, subordinar o seu funcionamento ao interesse geral, ou mesmo aboli-los em favor de outros modos de atribuição de recursos. Dado que a proliferação da Covid-19 e do CO2 é global, esta protecção da saúde e do clima comum deve ser organizada à escala planetária. Na ausência de um governo mundial, isto coloca um grande problema de governação. Face à Covid-19, a OMS não desempenhou suficientemente o seu papel de coordenadora, alinhando as estratégias dos Estados.

O seu peso tem sido seriamente enfraquecido pela atitude de governos nacionais hostis, como os Estados Unidos e o Brasil, e pela ambiguidade do apoio chinês. Perante a acumulação de CO2, a governação internacional assenta em dois pilares, o IPCC, que coloca em rede o conhecimento científico sobre o clima à escala global; e a Convenção-Quadro sobre Alterações Climáticas de 1992, que acolhe todos os anos os negociadores do clima nas COPs. Também aqui, a governação é fraca e desempenha mais um papel de alerta através do IPCC do que de catalisador de acção face ao risco climático, como a Convenção deveria fazer. Na emergência, a pandemia causada pela Covid-19 reforçou muitos comportamentos contraproducentes "cada um por si".

Considere o concurso para máscaras, respiradores, medicamentos ou vestuário de protecção que marcaram a entrada em contenção. À medida que a Covid-19 se foi movendo para o nosso meio, tornou-se claro que uma maior cooperação, especialmente na investigação de vacinas e prevenção de outras vagas da epidemia, era estratégica. A pandemia irá reforçar a governação multilateral para aumentar a nossa resiliência aos riscos globais? Poderá ser uma coincidência? Os dois chefes de Estado mais abertamente cépticos em relação ao clima são também aqueles que primeiro negaram e depois subestimaram a realidade da ameaça sanitária. Jair Bolsonaro, o líder do Brasil, é conhecido pelo seu cepticismo climático militante. Sob a sua liderança, foram desmantelados os restos de políticas anteriores para proteger a floresta amazónica. É também um chefe de estado surdo às mensagens da epidemiologia.

A 24 de Março de 2020, quando o país tinha 2.400 casos confirmados declarou que a epidemia era apenas uma "gripe" sem consequências. A 16 de Abril de 2020, o país contou oficialmente 15.000 casos e lamentou 1.947 mortes; despediu o seu Ministro da Saúde que coordenava a contenção organizada nas províncias. A 20 de Abril de 2020, foram oficialmente registadas 2.587 mortes; Jair Bolsonaro apareceu publicamente com manifestantes exigindo o fim da contenção. O Brasil a 14 de Stembro de 2021 apresenta 21,006,424 de casos e 587,138 de mortes. Donald Trump foi eleito numa plataforma de virar as costas à política climática de Barack Obama e reavivar o carvão. Ele não reanimou nada, mas deixou o acordo climático de Paris. Face à epidemia, a negação foi apresentar a Covid-19 alternadamente como uma invenção democrata ou um vírus chinês.

Numa retórica confusa, frequentemente contraditória, Trump prometeu uma vacina dentro de poucos meses, um fim à contenção na Páscoa de 2020, tratamentos milagrosos a serem produzidos em massa pela sua bela indústria nacional de medicamentos. Na conferência de imprensa diária do ex-presidente, todos estavam na verdade à espera que um pequeno homem com um rosto emaciado tomasse a palavra. Anthony Fauci, um investigador de renome mundial sobre os vírus da SIDA e do Ébola, dá o diagnóstico científico com uma voz calma de que a taxa de propagação da epidemia e as medidas de contenção devem ser mantidas e as melhores esperanças de uma vacina. Como chefe de uma agência federal com um orçamento de 6 mil milhões de dólares, Fauci também aconselha todos os governadores do país. Perante a volubilidade do ex-presidente, constitui um imenso contrapeso; o da ciência.

A ligação entre ciência e a política não é tão complicada na maioria dos países. O economista sueco Thomas Sterner diz de Anthony Fauci: "Nos Estados Unidos, o presidente realiza todos os dias uma conferência de imprensa enquanto o Dr. Fauci fica em segundo plano”. Os Estados Unidos a 14 de Setembro de 2021 apresentam 42,140,103 de casos e 680,274 de mortes. Na Suécia, um perito em saúde pública realiza toda a reunião. Na luta contra os vírus, a experiência da África do Sul é instrutiva. O Presidente Thabo Mbeki, que liderou o país de 1999 a 2008, sempre contestou a ligação entre a circulação do VIH e a infecção por SIDA. Confiando em alguns cientistas mal orientados, incluindo um professor de biologia molecular de Berkeley, Mbeki viu o consenso científico sobre a origem viral da doença como uma conspiração para esconder a sua verdadeira origem, a pobreza e subdesenvolvimento. A sua obstinação custou ao país cerca de 300,000 mortes e uma diminuição constante da esperança de vida durante o seu mandato. Felizmente, estas tendências foram invertidas sob o seu sucessor, Cyril Ramaphosa, que implementou uma política nacional de prevenção baseada no conhecimento da forma como o vírus é transmitido e do uso generalizado de drogas antivirais.

A África do Sul aprendeu com esta experiência. Foi um dos primeiros países do continente africano a tomar medidas nacionais contra o Covid-19, em meados de Março de 2020, mas tudo descamba e a 14 de Setembro de 2021 e apresenta 2,860,835 de casos e 85,002 de mortes. Tanto para a saúde pública como para a protecção do clima, o conhecimento científico desempenha uma função de alerta. No caso do clima, está bem estabelecido e não deixa margem para incertezas sobre a ligação entre a propagação do CO2 e o aquecimento global. Quando surge um novo vírus, somos confrontados com o desconhecido. Os recursos da ciência devem ser mobilizados rapidamente para compreender como se espalha entre os humanos e como destrói a saúde. O alerta é dirigido principalmente aos decisores. Para os vírus, isto é (ou deveria ser) feito através da OMS, para a qual esta é uma das suas funções.

Para o clima, este é o papel dos famosos "Resumos para Decisores Políticos" que o IPCC adopta, após um processo de validação bastante complexo, para cada um dos seus relatórios. Mas o desafio desta função de aviso deve estender-se muito para além do microcosmo dos decisores. A fim de pôr em prática respostas globais, vimos como é necessário alinhar o comportamento de todos e caçar clandestinos. Para combater a epidemia, o grau de informação disponível para a população é crucial. Condiciona a sua aderência. Quanto mais dúvidas, crenças supersticiosas, e pior, a estigmatização dos culpados que devem ser eliminados, são generalizadas, mais a população é susceptível de adoptar estratégias para contornar as instruções colectivas. Do mesmo modo, as limitações do combate ao aquecimento global serão mais bem aceites se a população tiver uma compreensão clara da ligação que os cientistas climáticos estabeleceram entre a acumulação atmosférica de CO2 e o aquecimento global.

O conhecimento científico não desempenha apenas uma função de aviso. A sua mobilização é uma alavanca crucial para a acção. O resultado da luta contra a Covid-19 é em grande parte condicionado pelos resultados da investigação de vacinas e novos meios terapêuticos. As contribuições da economia da inovação são aqui muito úteis. Em particular, compreender como funciona o sistema de patentes pode desviar os esforços de investigação dos programas de saúde pública ou retardar a necessária circulação de informação científica. Do mesmo modo, face ao aquecimento global, a aceleração da transição de baixo carbono implica a mobilização de grande parte do conhecimento a fim de transformar profundamente os sistemas produtivos. Aqui, mais uma vez, a Covid-19 e o CO2 são surpreendentemente semelhantes. Mas as aparências podem ser enganosas. Não imaginemos que são gémeos idênticos.

Em resposta a uma pergunta sobre a duração das medidas de contenção nos Estados Unidos, o Professor Fauci respondeu que o vírus determinava o período de tempo. Ele estava a apontar uma grande diferença entre o CO2 e a Covid-19. O CO2 que libertamos para a atmosfera é antropogénico, pois temos controlo total sobre a taxa da sua emissão porque o fazemos. São os próprios seres humanos que estão a criar o agente patogénico que está a aquecer o seu planeta. Antes da pandemia, a Covid-19 circulava na natureza, entre animais na sua maioria imunes. Está agora a circular entre os seres humanos, que infecta. As condições precisas desta transmissão não estão claramente estabelecidas. O cenário mais provável é que tenha ocorrido num mercado de Wuhan que vendia animais selvagens, incluindo o pangolim, que é suspeito de ter servido como hospedeiro intermediário.

Alguns acreditam que o vírus passou por um laboratório de investigação em Wuhan. O facto é que a Covid-19 e os seus inumeráveis primos não são originalmente feitos pelo homem. Por outro lado, a velocidade da sua circulação depende da forma como as sociedades humanas estão organizadas. O facto de a Covid-19 circular tão rapidamente entre os humanos não se deve apenas ao facto de encontrar um reservatório biologicamente favorável. É devido aos estilos de vida muito particulares da nossa espécie, que desenvolveu o hábito de se deslocar muito. A hipermobilidade parece ser consubstancial com a economia globalizada. Obviamente, isto cria um terreno fértil para o vírus. O primeiro passo para a refrear é congelar esta viagem múltipla. A paragem total, o confinamento generalizado, é apenas por um período de tempo.

Mas ninguém conhece antecipadamente o calendário estabelecido pelo vírus que permitirá levantar todas as restrições de mobilidade. O que acontece a seguir? Será que uma economia resistente ao vírus não implica pôr um fim mais sustentável a esta hipermobilidade, que é também um dos motores mais constantes da nossa produção de CO2? Outras características dos nossos estilos de vida favorecem a rápida disseminação da Covid-19. O consumo de combustível fóssil é a principal causa de nuvens de poluição na atmosfera. Estas nuvens parecem facilitar a circulação do vírus, a um ponto que surpreendeu os investigadores. Em particular, os bioestatísticos da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard. Outro factor que favorece a crueldade da Covid-19 para com os humanos é a sua propensão para comer em excesso e ganhar peso, o que agrava a doença. Em ambos os casos, as classes sociais mais pobres são as mais afectadas por estes flagelos.

Más condições de alojamento e de trabalho aceleram a circulação do vírus. A promiscuidade é um terreno fértil que é ainda mais favorável à propagação da Covid-19, uma vez que muitas vezes torna impossível uma contenção eficaz. A dimensão social será um parâmetro crucial para quebrar o confinamento. Tal como no caso da acção climática, irá determinar o sucesso das acções a serem tomadas para aumentar a resiliência das nossas economias aos riscos globais. A longo prazo, prevenir a multiplicação de novos riscos epidémicos significa agir sobre as suas causas. Aqui, a resiliência requer uma mudança bastante radical na nossa relação com os organismos vivos como a destruição da biodiversidade selvagem, a desflorestação, práticas agrícolas intensivas irreflectidas e o comércio (ilegal) de espécies selvagens são acções que enfraquecem as barreiras naturais que protegem os seres humanos. Restabelecê-las significa respeitar melhor as reservas de biodiversidade selvagem e mudar as práticas agrícolas.

Estas grandes mudanças permitiriam também à natureza absorver mais CO2 na atmosfera. Isto aceleraria a marcha para a neutralidade de carbono, a prioridade número um da acção climática. Embora estejamos bem informados e tenhamos controlo directo sobre a nossa produção de CO2, temos permitido a sua acumulação na atmosfera, provocando o aquecimento global. A agressão de um ser microscópico cuja circulação não controlamos poderia mudar tudo isso. As respostas destinadas a reforçar a nossa resiliência à sua propagação actuam como um feedback sobre a nossa produção de CO2. O que controlamos e não. O que não podemos controlar, o que temos de controlar através de feedback. Como um bumerangue, o minúsculo vírus lembra-nos a nossa culpa despreparada. Tal truque da história é melhor compreendido quando consideramos a velocidade com que o CO2 e a Covid-19 estão a exercer os seus efeitos deletérios. Vemos o vírus como um perigo próximo e imediato, o que é, enquanto percebemos a mudança climática como um perigo distante e remoto, o que não é.

A Covid-19 e o CO2 afectam as nossas sociedades em escalas de tempo muito diferentes. Isto tem implicações importantes para o tipo de resposta que pode ser dada à sua propagação. Na luta contra a Covid-19, todos os dias contam. O combate a uma epidemia é sempre uma corrida contra o tempo. No caso da Covid-19, devido aos períodos de incubação do vírus, existe um intervalo de duas semanas entre a introdução de medidas, tais como de barreira ou contenção, e o momento em que os resultados da acção começam a aparecer. No caso do aquecimento global, devido à inércia da máquina climática, são necessários mais uns vinte anos. Esquecer esta discrepância de tempo pode levar a mal-entendidos. Em particular, a ideia de que a resposta global à epidemia foi muito mais rápida do que a resposta ao risco climático. Nada é menos certo quando se tem em conta a diferença de escalas temporais.

Atrasar a acção sobre a Covid-19 por uma semana é como perder dez anos na acção climática. Um mês é equivalente a 40 anos. Depois de corrigirmos o diferencial de tempo, vemos que o mundo não tem sido mais receptivo ao risco sanitário do que ao risco climático. Para recuperar o controlo do aquecimento global, não é suficiente reduzir as emissões de gases com efeito de estufa. Temos de estabilizar o seu stock na atmosfera. Por outras palavras, devemos visar a neutralidade de carbono, que corresponde à situação em que os fluxos que entram no stock (as nossas emissões) e os fluxos que saem dele (absorção de CO2 pelo ambiente natural) são equilibrados. Os economistas sabem que um stock é sempre muito mais inerte do que um fluxo. Isto é particularmente verdade para a máquina climática. Em termos de aquecimento, os progressos no sentido da resiliência não podem ser medidos apenas pelos fluxos anuais de emissões. Deve referir-se ao stock global de CO2 na atmosfera que controla o aquecimento.

Ao contrário da Covid-19, o CO2 não ataca directamente. É a sua acumulação de longo prazo que constitui uma bomba relógio sobre as nossas cabeças. Esta diferença no tempo é muito importante. As medidas tomadas para abrandar a circulação da Covid-19 reduzem maciçamente as emissões de CO2. Mas para actuar sobre o stock, teriam de ser mantidos ao longo de várias décadas. Um mundo confinado durante 30 anos? Para além de alguns sobreviventes, poucos de nós estão dispostos a comprometer-se com isso. Os métodos utilizados para impedir a propagação da Covid-19 não são directamente aplicáveis à acção climática. O tempo da pandemia não é o tempo desta acumulação secular. Num texto famoso, o historiador Charles Rosenberg descreve-o como um cenário em três actos. O primeiro acto é o da "revelação progressiva" da existência do risco. É marcado pela insídia da maioria, apesar dos sinais de aviso que se multiplicam.

A negação desempenha aqui um papel clássico, retardando a consciência da ameaça ou reduzindo o seu alcance. Esta negação pode ser uma resposta à protecção de interesses económicos imediatos ou uma forma de defesa psicológica contra um risco que não se é capaz de assumir. Rosenberg define o segundo acto como aquele em que é imposta uma representação comum das causas e mecanismos de transmissão da doença face à multiplicidade de crenças existentes, frequentemente baseadas na estigmatização de certos grupos (estrangeiros, judeus, pobres, etc.) ou certas práticas (sexualidade, alcoolismo, drogas, etc.). O terceiro acto é a "resposta colectiva", anteriormente organizada pelas autoridades religiosas e agora enquadrada pela autoridade pública. Este terceiro acto torna possível a redução da doença, por vezes a sua erradicação. Pode durar curto ou longo período de tempo. Pode ser marcado por surpresas desagradáveis como retornos inesperados da doença que se pensava estarem contidos. Face à Covid-19, o mundo está empenhado nesta terceira fase. Ninguém pode prever quanto tempo irá durar, quanto mais em que Estado as sociedades irão emergir dela. Nesta luta global, as sociedades estão a tentar construir urgentemente organizações económicas e sociais que sejam mais resistentes ao vírus.

 

Jorge Rodrigues Simão, 17.09.2021

 

 

ENGLISH VERSION

 

The start of the fight against Covid-19 has cleared the skies. Satellite images showing the sudden disappearance of pollution clouds over large conurbations in China and then Europe quickly illustrated this situation. Anyone living in these areas, or near transportation infrastructure, quickly realized that although the most virus-infected patients were struggling in intensive care units with the aid of artificial respirators, they were now enjoying cleaner air. CO2 is not directly detectable in satellite imagery, nor is Covid-19. Pollution clouds are mainly made up of micro particles, sulfur emissions, and nitrogen oxides that block the sky and damage our lungs.

They are produced by the combustion of fossil fuels or biomass and do not directly contribute to global warming. They can even slow it down by forming a screen that limits the action of the sun's rays. The disappearance of pollution clouds is, however, a marker that attests to the drop in CO2 emissions that accompanied the containment. The collective action against the spread of Covid-19 simultaneously reduced the spread of CO2. By acting with urgency to curb the circulation of the virus, our societies suddenly seemed capable of reducing greenhouse gas emissions as never before.

Would climate action be durably strengthened by this convergence of struggles? We can "hypothesize, as many do, that the health crisis prepares, induces and encourages us to prepare for climate change. We still need to test this hypothesis." There are several tests and questions to be asked such as will the health catastrophe make our economy more resilient in the face of global warming? The test results should be read carefully. The actions taken to stop the movement of Covid-19 are not directly transferable to CO2 reduction. The connections between the health catastrophe and climate change are more complex than they appear at first glance.

Despite their similarities, Covid-19 and CO2 are 'fraternal twins'. Both are the source of global threats that scientists are warning about. However, they differ profoundly, both in terms of their anthropogenic or non-anthropogenic origin and the timeframe of their deleterious action. Let us examine more precisely what unites and what differentiates these two beings, which are so similar and so different. We are used to quarantines. In grade school, most of us were confined to measles or chicken pox. Because of contagion, our infection became dangerous for the whole class. We had to stay home, which often posed thorny custody problems that we encountered again a generation later with our own children. By leaving school temporarily, one is protecting the health of the rest of the class.

One is protecting a local 'commons', to use the economists' terms. This kind of situation is similar to local pollution management. For example, the kind that appears in cities when a high-pressure system stops air traffic. The pollutants are not blown away by the winds. They become dangerous pathogens that attack our bodies. The effective response cannot be purely individual. Collective action is needed to remove the source of emissions, for example by regulating car traffic and heating more strictly. Economist and Nobel Prize winner Elinor Ostrom has shown masterfully how societies can protect environmental assets at the local level.

If the circulation of the pathogen extends beyond the classroom, a gradient is crossed. The disease assumes an epidemic form. Ebola provides an example of a particularly formidable epidemic. Its virus lurks, like Covid-19, in animal reservoirs. Periodically, it is transmitted to humans. It circulated between 2014 and 2016 in Guinea, Sierra Leone, and Liberia. Less contagious than Covid-19, Ebola is much more deadly. During this period, it probably caused 15,000 to 20,000 deaths in these three countries, or just under 1 percent of the population. In this kind of situation, the fight is more complicated to organize than to protect the health of the class because each person must act to protect the health of a multitude of people they do not know. Symmetrically, each person's risk depends on the behavior of this crowd of strangers.

Regional pollution has similarities to epidemics. Sulfur emissions into the atmosphere, caused mainly by burning coal and fuel oil, are the cause of acid rain, which damages the health of forests and people. However, this pollution moves with the air currents. Discharges from Polish coal-fired power plants can damage trees and people in Germany's Black Forest; from Pennsylvania, forests and people in North Carolina. To combat this kind of pollution, those who reduce the discharge of pollutants are not always those who benefit from the action. And the beneficiaries themselves may make no effort, acting as "stowaways" on the actions of others, as economists call them.

During the Ebola outbreak in West Africa, one fear of the World Health Organization (WHO) was that the virus would spread. Drastic measures were taken to monitor the health status of people at the borders. Anyone who had the opportunity to cross them during this period saw how severe they were. In the case of Covid-19 in China, it was not possible to contain the circulation of the virus. The epidemic became a pandemic, as officially recognized by the WHO on March 11, 2020. The pandemic is the final gradient of viral transmission. The circulation of the virus becomes global. In such a situation, each person's risk depends somewhat on his or her own actions and especially on the actions of billions of other human beings. Just as in the classroom, it is still a matter of protecting the common good of health. But the scale has completely changed. We are now acting to protect the health of the entire human species; a global community.

Covid-19 is therefore very similar to CO2 (and all other greenhouse gases). Unlike the pollution cloud, CO2 does not directly affect our health; it is invisible, odorless, and non-toxic. But its accumulation over our heads is destroying another global commons, that of climate stability. To preserve this planetary community, we need to align the behavior of billions of people, just as we did to overcome the pandemic. From an economic point of view, this dual relationship between Covid-19 and CO2 has two implications that we must keep in mind; good health and climate stability are two common goods. In no case can their protection be assured by spontaneous market adjustments.

One of Europe's best-known climate economists, Nicolas Stern, used to repeat that global warming is the "greatest market failure" ever observed. Preserving a common good, whether health or environmental, implies collective action to regulate markets, subordinate their operation to the general interest, or even abolish them in favor of other modes of resource allocation. Since the proliferation of Covid-19 and CO2 is global, this common health and climate protection must be organized on a planetary scale. In the absence of a world government, this poses a major governance problem. In the face of Covid-19, the WHO has not sufficiently played its role as a coordinator, aligning the strategies of the states.

Its weight has been seriously weakened by the attitude of hostile national governments, such as the United States and Brazil, and the ambiguity of Chinese support. In the face of CO2 accumulation, international governance rests on two pillars, the IPCC, which networks scientific climate knowledge on a global scale; and the 1992 Framework Convention on Climate Change, which hosts climate negotiators at COPs each year. Here too, governance is weak and plays more of a warning role through the IPCC than a catalyst for action in the face of climate risk, as the Convention should do. In the emergency, the pandemic caused by Covid-19 reinforced many counterproductive "every man for himself" behaviors.

Consider the competition for masks, respirators, medications, or protective clothing that marked the entry into containment. As Covid-19 moved into our midst, it became clear that greater cooperation, especially in vaccine research and prevention of further waves of the epidemic, was strategic. Will the pandemic strengthen multilateral governance to increase our resilience to global risks? Could this be a coincidence? The two most openly climate-skeptical heads of state are also those who first denied and then underestimated the reality of the health threat. Jair Bolsonaro, the leader of Brazil, is known for his militant climate skepticism. Under his leadership, the remnants of previous policies to protect the Amazon rainforest have been dismantled. He is also a head of state deaf to the messages of epidemiology.

On March 24, 2020, when the country had 2,400 confirmed cases he declared that the epidemic was just a "flu" without consequences. On April 16, 2020, the country officially counted 15,000 cases and lamented 1,947 deaths; it fired its Health Minister who was coordinating organized containment in the provinces. On April 20, 2020, 2,587 deaths were officially recorded; Jair Bolsonaro appeared publicly with protesters demanding an end to containment. Brazil as of 14 Stember 2021 shows 21,006,424 cases and 587,138 deaths. Donald Trump was elected on a platform of turning his back on Barack Obama's climate policy and reviving coal. He didn't revive anything, but he did leave the Paris climate agreement. In the face of the epidemic, the denial was to present Covid-19 alternately as a Democratic invention or a Chinese virus.

In confusing, often contradictory rhetoric, Trump promised a vaccine within a few months, an end to containment by Easter 2020, miracle treatments to be mass produced by his beautiful national drug industry. At the former president's daily press conference, everyone was actually waiting for a small man with an emaciated face to take the floor. Anthony Fauci, a world-renowned researcher on the AIDS and Ebola viruses, gives the scientific diagnosis in a calm voice that the rate of spread of the epidemic and containment measures must be maintained and the best hopes for a vaccine. As head of a federal agency with a $6 billion budget, Fauci also advises every governor in the country. In the face of the former president's fickleness, he constitutes an immense counterweight; that of science.

The connection between science and politics is not so complicated in most countries. Swedish economist Thomas Sterner says of Anthony Fauci, "In the United States, the president holds a press conference every day while Dr. Fauci is in the background." The United States as of September 14, 2021 has 42,140,103 cases and 680,274 deaths. In Sweden, a public health expert conducts the entire meeting. In the fight against viruses, South Africa's experience is instructive. President Thabo Mbeki, who led the country from 1999 to 2008, has always disputed the link between HIV circulation and AIDS infection. Relying on a few misguided scientists, including a professor of molecular biology at Berkeley, Mbeki saw the scientific consensus on the viral origin of the disease as a conspiracy to hide its true origin, poverty and underdevelopment. His obstinacy cost the country an estimated 300,000 deaths and a steady decline in life expectancy during his tenure. Fortunately, these trends were reversed under his successor, Cyril Ramaphosa, who implemented a national prevention policy based on knowledge of how the virus is transmitted and the widespread use of antiviral drugs.

South Africa has learned from this experience. It was one of the first countries on the African continent to take national action against Covid-19 in mid-March 2020, but it all comes crashing down and on September 14, 2021 and has 2,860,835 cases and 85,002 deaths. For both public health and climate protection, scientific knowledge plays a warning role. In the case of climate, it is well established and leaves no room for uncertainty about the link between the spread of CO2 and global warming. When a new virus appears, we are confronted with the unknown. The resources of science must be mobilized quickly to understand how it spreads among humans and how it destroys health. The warning is directed primarily at decision-makers. For viruses, this is (or should be) done through the WHO, for which this is one of its roles.

For climate, this is the role of the famous "Summaries for Policymakers" that the IPCC adopts, after a rather complex validation process, for each of its reports. But the challenge of this warning function must extend far beyond the microcosm of decision-makers. In order to put global responses in place, we have seen how necessary it is to align everyone's behavior and hunt down stowaways. To combat the epidemic, the degree of information available to the population is crucial. It conditions their adherence. The more doubts, superstitious beliefs, and worse, the stigmatization of culprits who must be eliminated, are widespread, the more the population is likely to adopt strategies to circumvent collective instructions. Similarly, the limitations of the fight against global warming will be better accepted if the population has a clear understanding of the link that climate scientists have established between the atmospheric accumulation of CO2 and global warming.

Scientific knowledge does not only play a warning role. Its mobilization is a crucial lever for action. The outcome of the fight against Covid-19 is largely conditioned by the results of research into vaccines and new therapeutic means. The contributions of innovation economics are very useful here. In particular, understanding how the patent system works can divert research efforts away from public health programs or slow down the necessary circulation of scientific information. Similarly, in the face of global warming, accelerating the low-carbon transition implies mobilizing a great deal of knowledge in order to profoundly transform production systems. Here again, Covid-19 and CO2 are strikingly similar. But appearances can be deceptive. Let us not imagine that they are identical twins.

In response to a question about the duration of containment measures in the United States, Professor Fauci replied that the virus determined the time period. He was pointing out a major difference between CO2 and Covid-19. The CO2 we release into the atmosphere is anthropogenic, because we have complete control over the rate of its emission because we are doing it. It is humans themselves who are creating the pathogen that is heating up their planet. Before the pandemic, Covid-19 was circulating in nature, among mostly immune animals. It is now circulating among humans, whom it infects. The precise conditions of this transmission are not clearly established. The most likely scenario is that it occurred in a Wuhan market that sold wild animals, including the pangolin, which is suspected to have served as an intermediary host.

Some believe that the virus passed through a research laboratory in Wuhan. The fact is that Covid-19 and its innumerable cousins are not originally man-made. On the other hand, the speed of its circulation depends on how human societies are organized. The fact that Covid-19 circulates so rapidly among humans is not just because it finds a biologically favorable reservoir. It is due to the very particular lifestyles of our species, which has developed the habit of moving around a lot. Hypermobility seems to be consubstantial with the globalized economy. Obviously, this creates a breeding ground for the virus. The first step to curbing it is to freeze this multiple travel. The full stop, the generalized confinement, is only for a period of time.

But no one knows in advance the timetable set by the virus that will allow all restrictions on mobility to be lifted. What happens next? Doesn't a virus-resistant economy mean putting a more sustainable end to this hypermobility, which is also one of the most constant drivers of our CO2 production? Other characteristics of our lifestyles favor the rapid spread of Covid-19. Fossil fuel consumption is the main cause of pollution clouds in the atmosphere. These clouds seem to facilitate the circulation of the virus to a degree that surprised the researchers. In particular, the biostatisticians at Harvard University's School of Public Health. Another factor favoring Covid-19's cruelty to humans is their propensity to overeat and gain weight, which aggravates the disease. In both cases, the poorer social classes are the most affected by these scourges.

Poor housing and working conditions accelerate the circulation of the virus. Promiscuity is a fertile ground that is even more favorable for the spread of Covid-19, since it often makes effective containment impossible. The social dimension will be a crucial parameter in breaking the containment. As with climate action, it will determine the success of the actions to be taken to increase the resilience of our economies to global risks. In the long run, preventing the multiplication of new epidemic risks means acting on their causes. Here, resilience requires a rather radical change in our relationship with living organisms as destruction of wild biodiversity, deforestation, ill-considered intensive agricultural practices and (illegal) trade in wild species are actions that weaken the natural barriers that protect humans. Restoring those means better respecting wild biodiversity reserves and changing agricultural practices.

These major changes would also allow nature to absorb more CO2 into the atmosphere. This would accelerate the march towards carbon neutrality, the number one priority of climate action. Although we are well informed and have direct control over our production of CO2, we have allowed it to accumulate in the atmosphere, causing global warming. The aggression of a microscopic being whose circulation we do not control could change all that. Responses designed to strengthen our resilience to its spread act as a feedback on our CO2 production. What we control and what we don't. What we cannot control, what we must control through feedback. Like a boomerang, the tiny virus reminds us of our unprepared guilt. Such a trick of the story is best understood when we consider the speed with which CO2 and Covid-19 are exerting their deleterious effects. We see the virus as a near and immediate danger, which it is, while we perceive climate change as a distant and remote danger, which it is not.

Covid-19 and CO2 affect our societies on very different time scales. This has important implications for the kind of response that can be made to their spread. In the fight against Covid-19, every day counts. Fighting an epidemic is always a race against time. In the case of Covid-19, due to the incubation periods of the virus, there is a two-week lag between the introduction of measures, such as barrier or containment, and the time when the results of the action start to show. In the case of global warming, due to the inertia of the climate machine, it takes another twenty years or so. Forgetting this time discrepancy can lead to misunderstandings. In particular, the idea that the global response to the epidemic was much faster than the response to climate risk. Nothing is less certain when the difference in time scales is taken into account.

Delaying action on Covid-19 by one week is like losing ten years on climate action. One month is equivalent to 40 years. Once we correct for the time differential, we see that the world has been no more responsive to health risk than to climate risk. To regain control of global warming, it is not enough to reduce greenhouse gas emissions. We must stabilize their stock in the atmosphere. In other words, we must aim for carbon neutrality, which corresponds to the situation where the flows into the stock (our emissions) and the flows out of it (absorption of CO2 by the natural environment) are balanced. Economists know that a stock is always much more inert than a flow. This is particularly true for the climate machine. In terms of warming, progress towards resilience cannot be measured by annual emission fluxes alone. You must refer to the global stock of CO2 in the atmosphere that controls warming.

Unlike Covid-19, CO2 does not strike directly. It is its long-term accumulation that is a ticking time bomb over our heads. This difference in time is very important. The measures taken to slow the movement of Covid-19 massively reduce CO2 emissions. But to act on the stockpile, they would have to be maintained over several decades. A world confined for 30 years? Apart from a few survivors, few of us are willing to commit to that. The methods used to stop the spread of Covid-19 are not directly applicable to climate action. The time of the pandemic is not the time of this secular accumulation. In a famous text, historian Charles Rosenberg describes it as a scenario in three acts. The first act is that of the "progressive revelation" of the existence of risk. It is marked by the insouciance of the majority, despite the warning signs that multiply.

Denial plays a classic role here, delaying awareness of the threat or reducing its scope. This denial can be a response to protect immediate economic interests or a form of psychological defense against a risk one is unable to assume. Rosenberg defines the second act as one in which a common representation of the causes and transmission mechanisms of the disease is imposed in the face of the multiplicity of existing beliefs, often based on the stigmatization of certain groups (foreigners, Jews, the poor, etc.) or certain practices (sexuality, alcoholism, drugs, etc.). The third act is the "collective response," previously organized by religious authorities and now framed by public authority. This third act makes possible the reduction of the disease, sometimes its eradication. It can last for a short or long period of time. It can be marked by unpleasant surprises such as unexpected returns of the disease that were thought to be contained. In the face of Covid-19, the world is engaged in this third phase. No one can predict how long it will last, let alone in what state societies will emerge from it. In this global struggle, societies are urgently trying to build economic and social organizations that are more resistant to the virus.

 

 

.

 

Jorge Rodrigues Simão, 17.09.2021

 

Share

Pesquisar

Traduzir

ar bg ca zh-chs zh-cht cs da nl en et fi fr de el ht he hi hu id it ja ko lv lt no pl pt ro ru sk sl es sv th

Azulejos de Coimbra

painesiv.jpg