JORGE RODRIGUES SIMÃO

ADVOCACI NASCUNT, UR JUDICES SIUNT

O aquecimento do planeta

“Climat: on en parle (beaucoup) mais on ne fait (presque) rien”.

Guillaume Duval

Um grupo de cientistas internacionais verificou que a ruptura das gigantescas coberturas de gelo Larsen A e B no Antárctico estão a modificar de forma dramática o ecossistema das águas da região, onde a alteração climática permitiu ver, pela primeira vez, 10000 quilómetros quadrados do fundo marinho, que estiveram ocultos sob o gelo, onde os cientistas encontraram uma multidão de animais nunca vistos.

A camada de gelo Larsen é uma gigantesca crosta gelada que cobre o Mar de Weddell, na costa Oriental da Península Antárctica, que é parte do Oceano Meridional, ao Sul do Oceano Atlântico, sendo um acréscimo de terra próximo do extremo meridional da Argentina e Chile.

Tudo começou, quando em 1995 e posteriormente em 2002, duas gigantescas parcelas da cobertura de gelo (Larsen A e Larsen B, sendo esta última do tamanho do Estado de Rhode Island, nos Estados Unidos) se desprenderam, tornando-se num acontecimento extraordinário que os cientistas imputam ao processo de aquecimento global.

O súbito desaparecimento de cerca de 10000 quilómetros de gelo, que cobriu durante milhares de anos uma extensa parte do oceano, criou uma oportunidade única aos cientistas para observar e prever algumas das alterações que se avizinham, face à imparável subida das temperaturas a nível global.

Entre Novembro de 2006 e Janeiro de 2007, 52 cientistas de 14 países participaram numa expedição no navio de investigação científica “Polarstern” no Antárctico, e que permanece durante 320 dias no mar, com o fim de estudar as mudanças na região e o significado do começo do projecto “Censo da Vida Marinha Antárctica”, um dos maiores projectos lançados no Ano Polar Internacional, que começou no dia 1 de Março.

É um exemplo do que vai acontecer no futuro, e em termos biológicos está a suceder de forma rápida.

O que os cientistas descobriram é uma enorme quantidade de novas espécies que estão a colonizar as águas postas o descoberto pela fractura das camadas de gelo, o que está a modificar de forma trágica o seu ecossistema tradicional.

Antes do desaparecimento da camada de gelo de 200 metros de grossura, o solo marinho em Larsen era muito variado, desde a rocha até ao barro, reflectindo-se na alta diversidade biológica dos animais que viviam no sedimento, ainda que, em termos quantitativos a sua abundância fosse apenas de 1% comparado com outras zonas do Mar Weddell.

Os cientistas afirmam que a fragmentação das camadas de gelo Larsen, podem ensinar sobre os impactos de alterações induzidas pelo clima na biodiversidade marinha e o funcionamento do ecossistema.

A expedição do navio de investigação científica “Polarstern”, do qual faz parte um português da Universidade do Algarve, encontrou na zona deixada a descoberto na zona Larsen B, espécies como anémonas, ouriços-do-mar, camarões, polvos e corais que são consideradas, os primeiros colonizadores.

Na zona Larsen A, as novas espécies que tiveram mais tempo para colonizar, e designada pelos cientistas como segunda vaga de invasores, foram grandes acumulações de esponjas.

Os pesquisadores, recolheram amostras de cerca de mil espécies durante as dez semanas que durou a viagem, e crêem ter descoberto quinze novas espécies de anfípodas, que são animais semelhantes a camarões, entre eles, um dos maiores crustáceos da Antárctida, que é um camarão de dez centímetros de comprimento.

A expedição, descobriu ainda, quatro novas espécies de cnidários, que são organismos inventariados com os corais, medusas e anémonas-do-mar, entre eles, possivelmente uma nova anémona que vive de forma simbiótica como um caracol de mar.

Outra das surpresas da expedição foi a rapidez a que o novo habitat está a ser utilizado e colonizado por baleias-minke em densidades consideráveis.

A primeira conclusão a retirar é de que o ecossistema na água mudou de forma apreciável, e que a explosão de vida causada acidentalmente pela alteração climática na cobertura de gelo Larsen não se pode extrapolar ao resto do continente antárctico.

A segunda conclusão é de que o aquecimento das águas mais produtivas do planeta estão a causar uma diminuição na produção de krill, crustáceos minúsculos que são a base da cadeia alimentar dos oceanos, fundamental a outros animais superiores.

A terceira conclusão é de que o degelo dos pólos e glaciares é uma consequência directa do aumento das temperaturas.

As pavorosas secas em África, com as suas correspondentes fomes, desaparecimento de espécies, inundações na Europa Central e Ásia, furacões nas Caraíbas, tufões na Ásia, escassez de neve nos Alpes, degelo nos Himalaias, desde há alguns anos tem um culpado único não só para estes danos, mas para a grande parte dos que assolam o planeta, e chamado “Homem”.

A actividade humana está a criar ano após ano, um aumento das emissões de gases de efeito de estufa, que provocam o progressivo e imparável aumento das temperaturas do planeta.

Tentar mitigar os seus efeitos está nas mãos de todos, mas sem optimismos exagerados porque os efeitos do aquecimento global são inequívocos e muitos dos danos irreparáveis.

Se a situação, é actualmente má, o futuro não se nos depara pintado de cores mais alegres.

Os últimos relatórios científicos são inquestionáveis, e dão como tendo o planeta aquecido durante os últimos 100 anos, cerca de 0,74 graus centígrados, e continuará a aumentar a um ritmo de 0,2 graus por década.

Na atmosfera a situação não é melhor e como referimos anteriormente, a concentração de dióxido de carbono é a mais alta dos últimos 650000 anos, em que a concentração de gases de efeito estufa atinge 379 partes por milhão, e continua a subir.

Os líderes mundiais chegaram tardiamente à conclusão de que é o maior problema da humanidade, e estão dispostos a subir a uma carroça, que é a da luta contra o aquecimento do planeta, ao qual não deram nenhuma atenção nas últimas décadas.

Para que o esforço comece a dar alguns parcos frutos, falta o envolvimento de um gigante, os Estados Unidos, responsável pela emissão de 25% dos gases contaminantes do mundo, e o Presidente Bush, tem tido o trabalho de nada fazer.

Portugal, e nestes anos o governo parece ter ganho consciência de que há muito trabalho a fazer e urgente nesta matéria, pois não é em vão que somos o país da União Europeia que está mais longe de cumprir os objectivos de Kyoto.

Enquanto se discutem medidas como o incentivo do uso de energias renováveis, o transporte marítimo e a pé, os cientistas alertam, que a seguir na mesma direcção, o futuro que teremos será de secas ainda mais prolongadas e frequentes, aumento de temperaturas e mais episódios de fortes temporais.

O planeta aquece-se e o responsável é o homem.

Esta sentença não vem de um grupo ecologista, mas sim do relatório do Grupo Intergovernamental de Especialistas sobre Mudança Climática (IPCC).

Nenhum cientista nega a evidência, de que as emissões de gases de efeito de estufa têm uma consequência directa e irreversível sobre a superfície do planeta.

Os dados estão sobre a mesa e toda a comunidade científica os aceita.

O que varia é a forma de interpretá-los.

Estas são as três atitudes científicas mais comuns identificadas, cada uma delas, com um defensor público.

Muitos perguntarão que terá a ver esta matéria com economia internacional.

Tudo, porque foi e é devido à má elaboração das políticas económicas, que as indústrias são um vazadouro de poluentes a nível global, para satisfazer o consumismo desenfreado que nada têm de sustentável e que leva o planeta ao estado degradável em que vivemos.

Jorge Rodrigues Simão, in “HojeMacau”, 08.03.2007
Share

Pesquisar

Traduzir

ar bg ca zh-chs zh-cht cs da nl en et fi fr de el ht he hi hu id it ja ko lv lt no pl pt ro ru sk sl es sv th

Azulejos de Coimbra

painesi.jpg