JORGE RODRIGUES SIMÃO

ADVOCACI NASCUNT, UR JUDICES SIUNT

VIII. TRAÇOS DO DIREITO DE FAMÍLIA

À medida que as relações familiares se vão privatizando, visando “só” assegurar os interesses, a felicidade das partes, como estas quisessem, o direito de família (tradicional) reduz-se e conhece o aparecimento, a seu lado, de outras normas de direito.

Os interesses patrimoniais dos cônjuges passam a estar largamente submetidos à sua auto-regulamentação, em termos idênticos às da constituição de uma sociedade entre duas pessoas independentes. O princípio da liberdade das convenções antenupciais reflecte bem este ponto de vista. Algumas normas imperativas desta matéria destinam-se, sobretudo, a assegurar a igualdade entre os cônjuges, o equilíbrio dos seus interesse em alguns pontos fundamentais.

A violação dos deveres conjugais (do dever de respeito, de fidelidade, de coabitação, etc.), bem como a violação dos deveres dos pais para com os filhos, traduz-se normalmente, só na supressão do vínculo em que eles assentavam, na “liberdade do credor” (e, consequentemente, do “devedor”). A exigência do seu cumprimento é deixada, necessariamente, às forças do credor, ao azar do equilíbrio de forças dentro do casal ou na família, sempre variável, e só por acaso conduzindo à solução mais justa, mais jurídica.

 2. Institucionalismo

É corrente na doutrina a afirmação de que o direito de família ser um direito institucional: a família seria um organismo natural, dentro do qual existe um “direito”, uma ordenação íntima, que lhe é própria e na qual o legislador não deve intervir. Pelo contrário, este deve limitar-se a reconhecer esse direito interno da família. Direito que tem vindo a fornecer o conteúdo das principais normas do direito “estadual”, como as que impõem os direitos e os deveres pessoais.

Com ela não se deve querer reconsagrar a ideia de que a família é uma instituição natural, própria e imutável, “naturalmente” independente da lei do Estado. Ou que, entre família e sociedade, haveria necessariamente uma oposição, em termos de qualquer comunicação ser mortal para a família.

 3. Coexistência, na ordem jurídica portuguesa, de direito estadual e de direito canónico na disciplina da relação matrimonial

A maioria dos casamentos celebrados em Portugal é realizada segundo a forma canónica. Não se trata, porém, de uma simples forma, na medida em que dela resultam efeitos jurídicos de direito canónico reconhecidos pelo direito civil. Assim, o conhecimento das causas referentes à nulidade do casamento católico e à dispensa do casamento rato e não consumado pertence aos tribunais e repartições eclesiásticas competentes. Há, assim, uma coexistência do direito canónico e direito civil, vigorando o primeiro quanto à forma de certos casamentos e quanto a algumas das suas consequências.

 4. Permeabilidade do direito de família às transformações sociais

O direito de família é particularmente influenciado, por comparação ao que sucede com outros ramos do direito, pelas evoluções políticas e sociais. Por um lado, as grandes alterações políticas traduzem-se, mais ou menos rapidamente, em alterações do direito de família, muitas vezes ao arrepio do sentimento social.

Com a instauração da República, entre as primeiras medidas tomadas situam-se as referentes à instauração do casamento civil obrigatório e do divórcio, concedido este através de pressupostos muito liberais. A concordata entre Portugal e a Santa Sé, de 1940, tem de se entender como o resultado da evolução política iniciada em 1926. A revisão desta Concordata, no sentido de alargar a competência do direito civil e dos tribunais cíveis em matéria de direito matrimonial, sucede-se de perto às alterações políticas de 1974. Para além disto, nos últimos decénios a evolução social da família tem sido muito rápida. E tem sido acompanhada, mas ou menos de perto, por profundas alterações no direito de família, tanto no direito matrimonial e no direito da filiação, como no próprio direito patrimonial.

5. Afectação de certas questões do direito de família a tribunais de competência especializada

 A “especialidade” da ordem familiar levou a atribuir múltiplas questões do direito de família a tribunais especializados, os tribunais de família.

O legislador terá considerado aqui a existência de uma zona, radicalmente estranha ao direito estadual, na qual só com particulares preocupações e com profundos conhecimentos é possível penetrar. Nesta ordem de ideias, criou órgãos jurisdicionais de competência especializada, com juízes, em princípio particularmente treinados, que intervirão com a necessária delicadeza no domínio do direito da família. Tribunais que, reflectindo esta ideia, compreenderão um corpo de assessores, constituído por indivíduos com conhecimentos especializados em matéria de ciências do homem e ciências sociais, para constituírem uma ponte entre a frieza e a abstracção do direito escrito, e a cambiante realidade social.

Mas haverá que ir mais longe. Aos tribunais de família (por muito especializados e eficientes que sejam) haverá que substituir “comissões de família” visando promover, com os interessados, a auto-regulamentação dos seus interesses.

Share

Pesquisar

Traduzir

ar bg ca zh-chs zh-cht cs da nl en et fi fr de el ht he hi hu id it ja ko lv lt no pl pt ro ru sk sl es sv th

Azulejos de Coimbra

paineliii.jpg